7 de dezembro de 2012

Entre amigas


Os anos se passaram muito rápido, rápido de mais. Não tive tempo para fazer o que queria, não fiz o que quis. Eu me vi covarde por ter hesitado, me vi corajosa por ter arriscado. Mudanças que eu não rotularia, afinal, sempre mudo mesmo. E nesse tempo inteiro, minha vida se fez inconstante. Um dia estava feliz à toa, sorrindo pra todos, falando bastante, mesmo que me ignorassem ou não achassem graça. Já no outro, acordava séria, parada, sem animo algum, até meu falso sorriso estava desencorajado. E eu fico pensando o que as pessoas que estão ao meu redor pensam de mim? Um dia estar feliz, outro triste, outro ignorante, outro doida e outro como outro qualquer… 
É estranho não saber como você é. E principalmente quando você teve um dia vitorioso, que conseguiu “a receita da felicidade”, mas no outro dia esquecer como fez isso… Parece que estou num constante alzheimer, e, será que estou? Não me entendo, não consigo me entender, que diabo de problema eu tenho?! 
Até achar a solução vou indo, no 8-80, no luz-escuridão, no vai e vem da vida.



O texto foi enviado pela Vitória (só contia o nome dela no e-mail), o texto é de sua autoria. Quer seu texto aqui no blog? Então mande Aqui. Não esqueça de preencher todos os campos e colocar o seu blog ou qualquer rede social sua. Em até 9 dias o seu texto será publicado aqui!
Ryanca A.

Nenhum comentário:

Postar um comentário